Hamas divulga vídeo de dois reféns enquanto estuda cessar-fogo

O Hamas divulgou um vídeo neste sábado (27) mostrando dois reféns vivos enquanto estuda a última proposta de cessar-fogo de Israel, em uma aparente tentativa de aumentar a pressão sobre o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para cancelar uma grande ofensiva que aprofundaria a guerra em Gaza.

A ala militar do grupo militante palestino postou um vídeo que mostra o cidadão americano-israelense Keith Siegel, 64, e o israelense Omri Miran, 47, que falaram brevemente no vídeo.

A oferta de Israel de um cessar-fogo em troca da libertação de reféns é uma resposta à posição do grupo entregue aos mediadores em 13 de abril, disse o alto funcionário do Hamas, Khalil Al-Hayya, em um comunicado. O grupo enviará uma resposta assim que terminar de estudá-la, disse ele, sem oferecer um cronograma específico.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

No início desta semana, os EUA e outras 17 nações pressionaram o Hamas a libertar todos os reféns, incluindo seus próprios cidadãos detidos em Gaza, em uma tentativa de retomar as negociações que estagnaram nas últimas semanas e desbloquear mais ajuda humanitária para o enclave costeiro. O Hamas é considerado uma organização terrorista pelos EUA, pela UE e outros.

Netanyahu tem enfrentado apelos crescentes para chegar a uma trégua com o grupo militante palestino em meio a preocupações internacionais sobre seus planos de um ataque à cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde um milhão de refugiados estão abrigados.

Israel há muito sinaliza a intenção de lançar uma operação terrestre em Rafah para alcançar seu objetivo de destruir o Hamas. Autoridades militares israelenses estimam que de 5.000 a 8.000 combatentes do Hamas estão escondidos lá, junto com alguns de seus líderes, representando a última linha de sua defesa.

Continua depois da publicidade

Os protestos dentro de Israel sobre o destino dos reféns também estão aumentando, especialmente depois que o Hamas divulgou um vídeo recente de um cidadão israelense-americano de 23 anos cuja mãe tem sido a mais proeminente defensora dos esforços para garantir a libertação dos detidos.

Israel disse a uma delegação egípcia de alto nível que visitou na sexta-feira que fez concessões significativas e que a última oferta representa uma “oportunidade de última hora” para um acordo antes de entrar em Rafah, informou o Canal 12, citando um alto funcionário israelense que não foi identificado.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu neste sábado que “não descansará” até que todos os reféns sejam libertados.

Continua depois da publicidade

“Eles têm a minha palavra. Suas famílias têm minha palavra”, escreveu ele no Twitter, onde postou uma foto de seu encontro com a americana e israelense Abigail Idan, de quatro anos, libertada no início desta semana. Idan, cujos pais foram mortos no ataque do Hamas em 7 de outubro no sul de Israel, foi libertado em novembro durante uma troca de reféns.

Os EUA têm buscado um cessar-fogo temporário em Gaza que permita ao Hamas libertar reféns mulheres, feridos, idosos e doentes em troca da libertação de prisioneiros palestinos e de uma onda de ajuda humanitária. Nas fases seguintes, os cativos restantes – incluindo os corpos dos que morreram – poderiam ser libertados sob um processo que, segundo as autoridades americanas, deve acabar com os combates.

As negociações em curso entre Israel e o Hamas foram mediadas pelos EUA, Egito e Catar.

Netanyahu lidera o governo mais direitista da história de Israel e seus aliados linha-dura condenaram os esforços renovados para fechar um acordo com o Hamas. Um deles, o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, alertou contra o que descreveu como uma “perigosa capitulação israelense” em um post no X.

A Arábia Saudita planeja sediar conversas de alto nível na segunda-feira para discutir o futuro de Gaza. O secretário de Estado americano, Antony Blinken, deve comparecer e visitar Israel um dia depois.

Al-Hayya disse à Associated Press na quarta-feira que o Hamas deporia as armas se um Estado palestino fosse estabelecido ao longo das fronteiras anteriores a 1967. Ele insistiu que não recuaria de suas exigências pelo fim da guerra em Gaza e pela retirada total das forças israelenses, o que Israel recusou.

Continua depois da publicidade

A oferta de Israel não dá uma resposta clara às exigências do Hamas por uma retirada das tropas e um cessar-fogo abrangente, disse um alto funcionário não identificado do Hamas ao canal de TV Al Mayadeen. A menos que faça grandes mudanças na proposta, as perspectivas não são altas de que possa levar a um acordo, acrescentou o funcionário.

Israel vem realizando uma ofensiva devastadora em Gaza desde que combatentes do Hamas cruzaram a fronteira há quase sete meses, matando cerca de 1.200 pessoas. O grupo sequestrou outros 250, dos quais mais de 130 permanecem dentro de Gaza, alguns deles mortos.

Mais de 34.000 palestinos morreram, de acordo com as autoridades de saúde administradas pelo Hamas, que não distinguem entre vítimas militares e civis.

© 2024 Bloomberg L.P.

FONTE

Sobre o Autor

Ubiratan Motta
Ubiratan Motta

Historiador que dedicou sua vida à carreira militar. Especialista em recursos humanos e logística, e com vasta experiência em operações e missões das Forças Armadas.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.