Japão está em risco por preços globais; entenda

(Bloomberg) – A economia do Japão está em risco devido às pressões sobre os preços dos seus dois maiores parceiros comerciais, de acordo com o chefe da associação de bancos do país.

A ameaça da China é a deflação, disse Akihiro Fukutome, presidente da Associação Japonesa de Banqueiros, numa entrevista. Dos EUA, ele prevê que a inflação aumente se Donald Trump regressar ao cargo e implementar as suas políticas.

O Japão é altamente dependente do comércio e, portanto, sensível à influência econômica de outros países. As exportações de aço e produtos químicos a preços reduzidos da China podem prejudicar os fabricantes nacionais, enquanto os cortes de impostos nos EUA poderiam potencialmente estimular preços mais elevados naquele país.

Continua depois da publicidade

“O maior risco é o ressurgimento da inflação (nos EUA)”, disse Fukutome. “Um aumento nas taxas de juros de longo prazo é o meu pior cenário, embora a possibilidade ainda seja baixa.”

É improvável que a recente decisão do Banco do Japão de eliminar as taxas negativas e normalizar a política monetária cause grandes perturbações. para a economia e os mercados do país, já que a medida foi bem avaliada, disse ele.

Ainda assim, com o aperto do Banco do Japão e a previsão de que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) comece a cortar as taxas ainda este ano, ele vê potencial para perturbações no mercado decorrentes das direções opostas.

“Nunca vi nada assim antes”, disse Fukutome. “Dependendo do momento (das decisões políticas), poderá causar volatilidade na moeda, nas ações e em outros mercados. Acho que é um grande fator de risco.”

Fukutome é CEO do Sumitomo Mitsui Banking Corp., uma unidade central do Sumitomo Mitsui Financial Group Inc. Ele se tornou presidente da associação bancária em março. A posição é alternada anualmente entre os três maiores bancos do Japão.

Fukutome também disse que os bancos japoneses querem maior flexibilidade para atuar com financiamento de capital para startups.

Tradicionalmente, os bancos do país têm hesitado em conceder crédito para startups, uma vez que elas não têm um histórico para estabelecer sua capacidade de pagamento. Isso mudou e eles estão expandindo o financiamento para estas empresas nos últimos anos, à medida que o governo apela às instituições financeiras para apoiarem novos empreendimentos.

As regras atuais permitem que os bancos detenham uma participação superior a 5% em startups com menos de 10 anos através de subsidiárias de investimento. Muitas empresas promissoras, especialmente aquelas no campo da “tecnologia profunda”, são mais antigas do que isso, pois seus negócios tendem a levar mais tempo para se tornarem viáveis, dada a longa etapa de pesquisa e desenvolvimento, disse Fukutome.

“Temos ajudado startups com dívidas, mas há muito poucos fornecedores de financiamento de capital no Japão”, disse ele. “Queremos um pouco mais de desregulamentação aqui, caso contrário não poderemos contribuir tanto quanto queremos.”

No Japão, salvo no caso de startups e outras exceções, os bancos estão proibidos de deter uma participação superior a 5% numa empresa.

Source link

Sobre o Autor

Ubiratan Motta
Ubiratan Motta

Historiador que dedicou sua vida à carreira militar. Especialista em recursos humanos e logística, e com vasta experiência em operações e missões das Forças Armadas.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.