Polícia de Paris retira estudantes pró-palestinos de universidade após invasão

Paris (Reuters) – A polícia de Paris entrou na prestigiosa universidade francesa Sciences Po nesta sexta-feira (3) e retirou os estudantes que haviam ocupado seus prédios durante a madrugada, em protesto contra a conduta de Israel na guerra contra o Hamas em Gaza.

Uma testemunha da Reuters viu a polícia entrar nos prédios e retirar muitos dos cerca de 70 manifestantes pró-palestinos que estavam lá dentro. Diferentemente de alguns campi universitários nos Estados Unidos, os protestos franceses foram pacíficos e não houve sinais de violência quando os estudantes foram retirados dos prédios.

A universidade ficou fechada durante o dia nesta sexta-feira, com uma forte presença policial em torno de seu prédio principal.

Continua depois da publicidade

O gabinete do primeiro-ministro Gabriel Attal disse que os manifestantes foram evacuados de 23 instituições de ensino superior em todo o país na quinta-feira, acrescentando em um comunicado: “Em contraste com o que vemos no exterior, principalmente do outro lado do Atlântico, nenhum acampamento de protesto permanente (…) foi estabelecido na França”.

A Sciences Po tornou-se o epicentro dos protestos estudantis franceses contra a guerra, que se espalharam por toda a França, mas permaneceram em escala muito menor do que os vistos nos Estados Unidos.

“Há um nível de raiva e insatisfação que já existia há algum tempo e (a guerra de Gaza) foi a faísca que causou esse enorme incêndio que, no momento, as elites políticas não sabem como extinguir”, disse Clement Petitjean, professor de estudos norte-americanos da Universidade de Sorbonne.

Continua depois da publicidade

Na quinta-feira, o diretor da Sciences Po, Jean Basseres, rejeitou as exigências dos manifestantes de rever suas relações com as universidades israelenses, o que levou os manifestantes a se manterem firmes.

Jack, um estudante da Sciences Po que disse ser um dos ocupantes de um dos principais prédios da universidade, afirmou que os manifestantes recusaram um ultimato dos funcionários da instituição para desocupar grande parte do prédio e restringir seu movimento a uma área menor.

FONTE

Sobre o Autor

Ubiratan Motta
Ubiratan Motta

Historiador que dedicou sua vida à carreira militar. Especialista em recursos humanos e logística, e com vasta experiência em operações e missões das Forças Armadas.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.