Senadores argentinos aprovam reajustes no próprio salário em meio à crise econômica

Senadores argentinos aprovaram o aumento dos próprios salários, além de adicionar um bônus de Natal nos vencimentos, em votação no fim da sessão da quinta-feira (18), após um acordo prévio para evitar o escrutínio público.  

A partir de maio, os parlamentares vão passar a receber 6,7 milhões de pesos argentinos (R$ 40 mil) mensalmente. Atualmente, o salário é de 1,9 milhão de pesos argentinos (R$ 11,5 mil). O salário-mínimo no país é de 180 mil pesos argentinos (R$ 1.072). Mais da metade dos 46 milhões de argentinos estão abaixo da linha de pobreza, segundo o jornal El País.  

Senadores governistas, que apoiaram o discurso do presidente Javier Milei na campanha eleitoral em que criticava a “casta” política, também votaram a favor dos reajustes salariais. Segundo o jornal Clarín, a medida teve aval da vice-presidente de Milei e presidente do Senado, Victoria Villarruel. 

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

As atualizações orçamentárias são tema de intenso debate na Argentina em meio a alta inflação e o corte de correções salariais promovido pelo governo para cumprir o seu plano de austeridade fiscal. Em um ano até março, a inflação na Argentina já acumulou 287,9% de alta, o maior valor desde o início dos anos 1990. 

Em publicação na rede social X, Milei criticou os parlamentares. “É assim que a casta age… Os únicos sete que votaram contra são os senadores da Liberdade Avança [partido do presidente]. Em 2025, será uma surra histórica”, afirmou em referência às eleições legislativas de meio de mandato que serão realizadas no ano que vem. 

Milei aumenta salário e recua 

O movimento dos senadores acontece um mês depois de o próprio presidente, Javier Milei, reajustar o seu salário em 50% e voltar atrás dias depois.  

Continua depois da publicidade

O presidente havia assinado o decreto que possibilitou o aumento, mas se desculpou, culpando a ex-presidente Cristina Kirchner, que há 14 anos teria criado um mecanismo de atualizações salariais pela inflação. “A cada dia que passa encontramos uma nova regra que favoreceu políticos e prejudicou argentinos”, disse o presidente na época. 

Em resposta, Kirchner acusou Milei de acusou de querer desviar a atenção do decreto culpando-a. “Admita que você assinou, foi pago e foi pego [o dinheiro]”.  

FONTE

Sobre o Autor

Ubiratan Motta
Ubiratan Motta

Historiador que dedicou sua vida à carreira militar. Especialista em recursos humanos e logística, e com vasta experiência em operações e missões das Forças Armadas.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.