Teoria dos nós pode revelar os melhores caminhos do espaço

Muitas espaçonaves depois de terminarem suas missões científicas continuam orbitando o objeto estudado. No entanto, em algumas situações, após cumprirem seu objetivo principal, elas podem ser manobradas para outra órbita que os cientistas gostariam de explorar, tendo como problema a disponibilidade de combustível. No entanto, pesquisadores descobriram que a teoria dos nós pode resolver esse problema.

Para quem tem pressa:

  • Traçar rotas espaciais econômicas exigem muito tempo e cálculos computacionais;
  • Em nova pesquisa, foi apontado que a teoria dos nós pode deixar isso mais fácil;
  • Os testes demonstraram que a técnica pode ajudar a escolher a melhor rota para objetos no espaço. 

Alguns dos caminhos orbitais feitos por espaçonaves permitem mudanças usando pouco ou nenhum combustível, mas descobrir esses caminhos é computacionalmente caro. Agora uma nova pesquisa publicada na revista Astrodynamics, demonstrou que a teoria dos nós pode encontrar esses caminhos mais facilmente.

A teoria dos nós é um como GPS de curvas tridimensionais fechadas, que poderia servir para tentarmos descobrir a maneira mais fácil de desembaraçar um emaranhado de linhas de pesca, como também, para encontrar a melhor trajetória de uma nave espacial em um sistema planetário lotado, como Júpiter e todas as suas luas. De acordo com a pesquisa, utilizar a teoria faria com que fosse necessário menos poder computacional.

Os diagramas mostram um conjunto de rotas possíveis que uma nave espacial poderia seguir entre diferentes regiões próximas da Lua (Crédito: Danny Owen/Nicola Baresi)

Anteriormente, quando empresas como a NASA queriam traçar uma rota, os seus cálculos baseavam-se na força bruta ou em suposições. A nossa nova técnica revela claramente todas as rotas possíveis que uma nave espacial poderia seguir de A para B, desde que ambas as órbitas partilhem um nível de energia comum.

Danny Owen, astrofísica, em comunicado

Leia mais:

Teoria dos nós e rotas espaciais

O grande problema de traçar rotas até planetas, luas e outros objetos espaciais é que nada no espaço está fixo. Quando missões são lançadas, estamos enviando espaçonaves em alta velocidade, partindo da Terra em movimento, para outro objeto que também está se movimentando. 

Como o combustível é um recurso limitado, o melhor caminho é geralmente o mais econômico. Os astrônomos traçam essas rotas a partir de conexões heteroclínicas, onde a espaçonave vai de uma órbita para outra gastando a menor quantidade de prepotente. No entanto, essas rotas exigem muitos cálculos computacionais e tempo para serem realizadas.

Com a teoria dos nós, os pesquisadores apontam que uma “detecção robusta de conexões heteroclínicas” pode ser realizada. A partir disso, os navegadores podem escolher a rota que melhor se adapta à missão.

Os pesquisadores testaram a técnica nas luas galileianas (Crédito: NASA/JPL-Caltech/Reprodução)
Os pesquisadores testaram a técnica nas luas galileianas (Crédito: NASA/JPL-Caltech/Reprodução)

A técnica foi testada em sistemas planetários como a Lua e as luas galileanas de Júpiter e os resultados mostraram que ela pode deixar tudo mais simples.



FONTE

Sobre o Autor

Ubiratan Motta
Ubiratan Motta

Historiador que dedicou sua vida à carreira militar. Especialista em recursos humanos e logística, e com vasta experiência em operações e missões das Forças Armadas.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.